OPORTUNIDADES NO MERCADO IMOBILIARIO – IV ou A ilusão da cidade grande

Caros

Faço parte da geração que um dia decidiu que a cidade de São Paulo seria o destino necessário para construir um futuro melhor. Quando aqui cheguei, no começo de 1968, a população da Grande São Paulo era de pouco mais de 7 milhões de habitantes; hoje somos 21 milhões. Este crescimento exponencial, a despeito de toda evolução tecnológica do período, tirou muito da qualidade de vida das pessoas.

Em 1968 eu morava no bairro de Pirituba e trabalhava e estudava na Lapa; eu conseguia ir para casa, jantar, tomar banho e ainda voltar para Lapa a tempo de estudar. Dezoito anos antes minha mãe, ainda solteira, também trabalhava na Lapa e morava em Pirituba; ia almoçar em casa dentro do horário normal de trabalho. Hoje a maioria das pessoas que trabalham e estudam nesta metrópole levanta entre 4 e 6 horas, vai direto do local de  trabalho para a escola e chega em casa à 1 hora da manhã, para jantar, tomar banho e ir dormir. Algumas mal conseguem dormir 3 horas por noite; isto não é vida!

Vamos então olhar um pouco mais detalhadamente para a região que reúne 39 municípios, incluindo a cidade de São Paulo; em termos de habitantes está entre as 10 maiores do mundo. O Brasil tem pouco mais de 200 milhões de habitantes, sendo que 20% deste total está no Estado de São Paulo; metade da população do estado, ou seja, 10% da população brasileira está nesta região Metropolitana, onde é gerado quase 20% do PIB brasileiro. O problema é que ocupamos apenas 0,1% da área do Brasil.

O Brasil tem uma densidade média de 24 habitantes por quilometro quadrado, enquanto que a Grande São Paulo tem mais de 2.500; Diadema então tem pouco mais de 12.500. Ou seja, enquanto na média, no Brasil 24 pessoas ocupam um quilometro quadrado, em Diadema esse número é de 12.500! Vamos embora!!!

Outro dado interessante é quanto à renda per capita. Segundo o Censo de 2010 apenas três municípios da Grande São Paulo estão entre as 30 maiores rendas per capita do Brasil; o município de São Paulo estava em 14º lugar. Mesmo considerando as 50 maiores rendas per capita a região da grande São Paulo só possui 5 municípios nesta lista.  Em termos negativos temos ainda que o município de Francisco Morato tem uma das piores rendas per capita do Estado de São Paulo. Então a primeira conclusão é que quem busca renda não precisa vir para a grande São Paulo. A segunda, e mais importante, é que quem está aqui deve começar a olhar para as demais cidades ou regiões do Brasil.

A pior consequência de se morar nesse amontoado humano é o transito caótico que tira pelo menos 4 horas da vida diária das pessoas e que só tende a piorar. Mas há outras consequências também importantes, como o custo de vida, o nível da violência  urbana e o preço dos imóveis. Um amigo acaba de se mudar para uma cidade a 500 km de São Paulo para trabalhar na área dele, promovido e melhor remunerado e com uma qualidade vida absolutamente incomparável com a que temos por aqui. Existe vida melhor fora daqui…

Abraços,

Valter Celio

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *